sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Antes de dizer sim



E a sábia senhora, dona da pensão, lhes disse quando ela saiu do quarto com os olhos inchados, por passar a noite em claro chorando:

- De fato alguns moços são verdadeiros príncipes; outros se parecem com as estrelas do mar, aparentemente inofensivos, mas bem perniciosos. Alguns destes que assumem um relacionamento sério: ou casando, ou noivando, até mesmo namorando, diante das atitudes que possuem - quando estão distante das suas parceiras -, revelam que pouco se importam e respeitam a pessoa com a qual compartilham as suas horas. Tratam todas as moças como peças para colecionar, quando começam a ter relacionamentos paralelos ( muitas vezes, a nova moça, nada sabe sobre a condição amorosa do rapaz).
Não são poucos, são inúmeros os que pedem a moça em casamento e a outra em namoro, simultaneamente. Pseudos-homens apaixonados pelo próprio ego e não pelas moças.
Há muitos canalhas povoando este planeta, Catarina, mas há caras bacanas, também! Contudo, o mais intrigante para esta velha senhora que vos fala, é perceber que tais esposas, noivas e namoradas permanecem neste tipo de relação, vivendo estas circunstâncias repetidas vezes com o tal moço. Perdoar é condição de merecimento, após falhar com o outro, mas, perdoar a mesma falha, diversas vezes é de uma falta de amor próprio bem preocupante. Mas, aí, vá entender o sentido do amor para estas moças; talvez o mínimo pra elas seja o suficiente.
Mas, por favor, minha doce Catarina, compreenda que o presente é um prenúncio do que você viverás num futuro (em vários pequenos futuros) bem próximo com este moço.
Já cogitou a ideia de que esse tal amor que ele diz nutrir por você, seja só uma situação de conforto por saber que entre todos os outros amores que ele colhe, mesmo estando com você, és a única que acreditaria em todas as mentiras e assim, o perdoaria pelos erros constantes, regados às grandiosas promessas de mudança?
Pôr uma aliança no seu dedo, minha querida Catarina, é só um meio de prender-te, de ter uma garantia de que jamais terminarás com ele, afinal não são só quatro dias, nem quatro semanas, são quatro anos; e tem a família. Além disso, boa parte dos homens têm preguiça de recomeçar: conquistar, começar o namoro, conhecer a família, e tal. Eles preferem permanecer, por já estar acostumados.
Preste bem atenção, Catarina, nestas relações, alguém tem que ser feito de trouxa. Que não seja você minha cara. Que não seja você!

Amor é construção, não condição


Quem já sentiu as dores do amor,  as amarguras que alguns amores possibilitam, sempre se veste de armaduras diante de um novo amor.
Há os que se boicotam e deixam a oportunidade de um amor bonito escorregar na vala do vazio da alma. E, também, há os que vivem costurando, com medos miúdos, as cicatrizes que permaneceram dentro de si. Por vezes doloridas, ainda.
O outro, então, perfuma as horas com paciência e compreensão para tornar os instantes em pontes floridas de carinho, a fim de deixar o seu amor mais seguro no caminhar.
Amar não é encontrar alguém pronto para abraçar cada sorriso em poucas horas; tão pouco viver o tudo, rapidamente, como o outro deseja.
O amor, devagar, em passos miúdos, permitirá através das atitudes e palavras de confiança que a reciprocidade se alargue e, então, adorne, a história dos amantes. E, assim, fará morada.
Com isso, aquele que tem a alma machucada pelos amores passados, se aconchegará nos braços deste novo amor, e  ambos vibrarão numa sintonia incomparável, capaz de fazer as almas flutuarem em cada toque, cada beijo, cada sorriso largo.
O mais importante é que quando esta nota chamada amor começar a vibrar, num tom harmonioso, ambos criem possibilidades para que esta canção ecoe em seus corações,  com leveza.

Tayane Sanschrí


Sem segundas chances



As oportunidades da vida são assim: chegam, se aconchegam num canto, fazem firulas para serem notadas, insistem e algumas vezes as deixamos passar.
Talvez por não sabermos o que de verdade queremos da vida, ou por não decidirmos nos desprender dos laços que não tem grande valia, ou até por estarmos contaminados pelo medo de amar.

Aquilo que muitas vezes bendizemos aos céus, clamamos em alto e bom tom, passam, em inúmeros momentos, despercebidos, porque estamos ocupados demais para notarmos que nosso pedido foi atendido.
E o que acontece depois?
A repetida indagação: por que comigo nada dá certo?
Se permaneces de braços cruzados, até mesmo quando a oportunidade te cutuca o nariz, ou com vara curta; enfiar goela abaixo, que é chegada a hora de viver, não será decisão de ninguém, apenas tua.
Arregale estes teus olhos de moço bonito, permita-os ser ávidos de alegria, e segure bem forte na mão do que a vida lhes trouxe, sem mais delongas.
Segure bem firme, meu amigo!
Ou, certamente, alguém mais esperto do que você abraçará a condição e saberá aproveitar cada segundo das oportunidades do caminhar!
Nem sempre a vida lhes dará uma segunda chance!

Tayane Sanschrí

Essa tal modernidade


O melhor da vida


Primazia


Das coisas que eu desejo


Como deve ser


Sempre que um novo mês começa planejamos novas histórias, revigoramos a esperança, alimentamos a fé, erguemos a cabeça e lá vamos nós, mais uma vez, na busca pelas horas de sorrisos gigantes. Seja eles por conta de um amor, pelas conquistas profissionais, ou qualquer outro quesito que nos põe de pé.
Recomeçar vai além de dar nova roupagem para uma situação nossa de cada dia.
Muitas vezes, faz-se necessário refletir sobre no que devemos insistir, ou deixar ir.
Insistir nem sempre é ver com amor e sabedoria. E, talvez, seja esta a grande chance de recomeço: abrir mão de um emprego que não nos satisfaz, pôr fim numa relação de vai e vem, colocar-se no lugar do outro nas adversidades do dia a dia, entender que na vida, algumas vezes, nem tudo tem que ser como a gente quer, mas, sim, como deve ser!
Recomece!


Tayane Sansschrí

domingo, 2 de novembro de 2014

Livro: Estação das Flores


Vejam como está lindo o convite do lançamento do meu livro: Estação das Flores!
Está chegando o grande dia!
<3

Livro Estação das Flores

A linda Tatiana Dias com o seu Estação das Flores em mãos!
Que ele ilumine ainda mais os seus instantes!
<3

Livro Estação das Flores


A bela  Maria Isabela pincelando as suas horas com amor!
Boa leitura, lindeza!
Que as suas horas sejam bordadas de muito amor!
<3

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Livro Estação das Flores

A linda leitora Vanessa Guedes Maicá perfumando,ainda mais, as páginas do Estações das Flores!
Que seus olhos brilhem com cada texto do meu livro, lindeza!

<3

Livro Estação das Flores

A linda Ju Fuzetto (Um Lugar ao Sol Perto do Vento) com meu livro Estação das Flores Por Tayane Sanschrí.
Ela quem perfumou o prefácio dele com sua docilidade. 
<3

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Pedido a uma estrela - Estação das Flores


É com muita honra que trago para vocês o curta - metragem " Pedido a uma estrela", texto que faz parte do meu livro Estação das Flores. E, que abre as cortinas da primavera, a fim de que vocês se inebriem com o perfume que envolve esta história de amor, relatada em prosa poética, de uma história real.

Venham!
Permitam-se ser embalados nas doces palavras de Estação das Flores!
Cliquem no link e naveguem!

Curta-metragem: Pedido a uma estrela - Estação das Flores 

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Pedido a uma estrela


Que lindeza!
Vejam o trailer do curta-metragem: Pedido a uma estrela.
Uma amostra do que vem por aí no meu livro Estação das Flores.
Em breve posto aqui para vocês o vídeo na íntegra!
Zilhões de beijos, amados!


 Só clicar, meus amores!
Pedido a uma estrela - Tayane Sanschrí

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Livro: Estação das Flores


Estação das Flores é uma prosa poética que conta uma história de amor, numa linguagem simples e cheia de encanto. Um amor que não durou pra sempre, mas, tempo suficiente para ser eterno na memória e nos corações apaixonados!

Logo, logo disponível para venda!
Editora Penalux!

Lançamento: 28 de novembro de 2014.

domingo, 28 de setembro de 2014

Ensaio Fotográfico

                                Ensaio Fotográfico para a Nutrimais

Ensaio Fotográfico


                           Ensaio Fotográfico para a loja Nicothay Modas

Navegar


Navegar

Composição: Tayane Sanschrí
Produção: Capture
Atriz: Tayane Sanschrí
Participação Especial: Rodrigo Hora

Navegar


Num olhar


A quem interessar possa



 Por: Tayane Sanschrí


A vida é precipitadamente breve!
Ela não espera mais cinco minutos na cama, quando acordamos com preguiça em plena segunda-feira.
Em dias de chuva e frio, não aguarda a estiagem para prosseguir. A vida, simplesmente, se entrega ao temporal e aproveita a alegria de sentir, escorrendo pelo rosto e pela alma, as gotas da chuva.
A vida nos pede calma apressadamente!
Para saborearmos cada pulsar do nosso riso, abraço dividido e sonho alcançado.
Mas, é preciso que nos dispemos dos medos e anseios - vilões perigosos - que nos impedem de vivermos momentos mágicos na vida.
Pensamos demais!
Julgamos demais!
E acabamos perdendo os ponteiros do tempo; e mal nos damos conta de perceber que ele escorre pelos dedos. Quando acontece, muitas vezes, é tarde demais.
A vida é singularmente breve!
É preciso ser feliz hoje. Neste exato momento.
Não quero dizer com isso que devamos tomar rumos impensados, contraditórios aos valores familiares e sociais arraigados em nossa história.
A vida é pra ser vivida no presente do indicativo! Com leveza nos olhos, sem os fardos amarrados de frustrações e sonhos esquecidos.
Ame! Corra atrás dos sonhos! Admire o pôr do sol! Conte estrelas! Cuide tanto de quem te quer bem!
Não deixe pra depois, para o sei lá, ou o vamos ver!
Seja imperativo!
Ainda há tempo de se viver!

A quem interessar possa (card)


Carinho


Tique - taqueando


                                                    Foto do arquivo pessoal da escritora

Por: Tayane Sanschrí

Você é tão estupidamente parecido com todos os outros que pretendo dar aos antigos amores uma nova roupagem. Só para diferenciar.
Por que pior do que nosso coração não tique-taquear pelo novo cara com o qual estamos saindo, é ele insistir em ficar tique-taqueando, de qualquer jeito, por um ex-amor, que tem todos os requisitos básicos que desejamos num homem: bonito, alto, inteligente, bem-vindo, coxas estonteantes, voz mansa e etecetera e tal.
Porém, que fique bem claro, todas essas qualidades mencionadas, há em você, tim-tim por tim-tim. Só faltava o meu coração dizer: 'é ele'.Coisa que ele não fazia.
Por um instante até pensei que fosse, tentei me sabotar...forçar mesmo, e repetidas vezes sussurrar baixinho, entre dentes: 'é ele sim, eu quero que seja'.
Mas, bastou uma única oportunidade de você reatar com um antigo amor, para que toda a podridão que existe nestes cafajestes de plantão, que nos envolve de uma forma tal, se revelasse em você. Realmente, você me lembra muito os trocentos cafajestes que passaram por minha vida. (Trocentos é exagero)
E, agora quando tenho a oportunidade de olhá-lo nos olhos, percebo como você enfeiou esse amor.
Afinal, a gente quem enfeia um amor.
Um alguém pode deixar de ser lindo, quando simplesmente despreza o sentimento mais sublime que possamos sentir por ele: o AMOR.
O encantamento, então, acaba.
E quando isso acontece, cada riso, palavra, gesto, olhar faz com que nos contorçamos na cadeira, enquanto o observamos falar de coisas banais.
Chego a sentir dores no corpo tantas vezes fiquei me contorcendo por conta das bobagens que você disse por aí, ou pra mim, como se tivesse medo de que eu quisesse insistir em tique-taquear o seu nome no meu coração.
Coitado.
Nem dei corda no meu peito hoje.

Crônica: Sra. Nostalgia

                                Foto do arquivo pessoal da escritora
 

Por: Tayane Sanschrí

Tem dias que a Sra. Nostalgia bate em minha porta, segundo ela, para fazer uma destas visitas rápidas.
Sei, sei ... Ela se apropria do meu sofá, igual cachorro marcando território, só ela encosta, e não mais quer sair.
Chego a pedir para minha mãe virar uma vassoura de ponta cabeça, uma superstição besta, mas que coincidentemente resolve, a fim de que ela parta de uma vez, de preferência, sem olhar pra trás. Senão é bem provável que eu tenha que comprar todo o estoque de lenços de papel do mercado da minha rua, caso ela resolva ficar.
Os lenços de papel são a salvação, pois ora choro por lembrar dos amores que eu deixei; ora choro por lembrar dos amores que amei sozinha.
E quando estas lembranças vêm, convidadas pela Sra. Nostalgia, eu sempre as pergunto: ‘Por que as pessoas falam do amor como se fosse um bilhete para adentrar no resort mais bonito do país? Eu comparo o amor com um dia adoentada: dor nos músculos, enjôo, sono demais ou de menos, boca amarga e taquicardia’.
O silêncio é estarrecedor.
Nenhuma palavra sequer... Nenhum suspiro como anúncio de que as minhas lembranças de amor serão guardadas numa bela caixinha de música, cor de rosa, diga-se de passagem. Quem sabe, assim, guardando-as, todo esse desconforto seja transformado em melodia. Por que transformando em melodia, caso eu sinta saudades, pego a caixinha e ouço a melodia até cair no sono, embalada pelo amor. Mas, nada, só ouço o cri-cri dos grilos vindos do quarto da minha mãe.
Quer saber darei uma de mal-educada, vou para a cama me deitar; tomarei o chá milagroso, de camomila, da minha avó - que de milagroso não tem nada, pois demoro cerca de 2 horas pra cair no sono - e pensarei nos afazeres de amanhã.
São tantas as atividades para eu enumerar, que logo, logo, a Sra. Nostalgia se toca e quando percebo ela já foi embora, sem ao menos dizer até logo.
Por via das dúvidas deixarei o meu celular ligado, vai que ela resolve vir na madrugada e sempre tem um amigo, disposto a nos consolar nestas horas, afinal, meus lenços de papel acabaram.