quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Os motivos que nunca me permitiram ter um amor sólido




Relacionamento sólido todo mundo quer, por que comigo seria diferente?
Para mim, e mais duas dúzias de homens que são capazes de assumir que desejam um amor para toda vida, ter um amor era a minha maior expectativa. Alguém para compartilhar momentos de alegrias, falar do dia a dia, olhar nos olhos e andar de mãos dadas pelas avenidas das cidades, sem me importar com os olhos de reprovação (ou de admiração) de seja lá quem fosse.
Mas, demorei de esbarrar naquela que realmente me escolheu para ser o cara que ela desejaria passar o resto dos seus dias. É, ME ESCOLHEU, porque sejamos sensatos, são elas quem nos escolhem.
Afinal, se dependesse de mim, eu sempre escolheria, as que nunca queriam nada; eu tinha uma leve fascinação ao me interessar, num bar, naquelas rodas de amigas se divertindo, por aquela que lá nos labirintos de suas emoções, queria tudo, exceto um amor pra vida toda. No máximo uns meses em minha casa, até encontrar outro que lhes dedicasse mais horas, ou lhes provocasse mais borboletas no estômago.
Já estava virando comportamento clichê. Comecei a me convencer que nenhuma era inteira, ou que eu exalava algum odor que espantava as moças de mim, pelo menos as que desejassem um namoro sério.
Sei que não é receita de bolo, tão pouco um manual de instruções que me levasse diretamente a moça bonita dos meus sonhos. 
Opa! Volta para a realidade; sai desse deslize. 
Quero dizer para você que essa coisa fantasiosa foi o primeiro passo para me fazer notar que eu idealizava uma pessoa que não existia.
Eu vivia na contramão do amor: queria tanto alguém sólido e quando encontrava uma moça bacana, era capaz de enumerar uma porção de condições que me impediam de prosseguir; era pior que alguém que lista os possíveis problemas que um carro velho possa lhes trazer, caso você adquira um.
Calma, aí, antes que qualquer um me apedreje, porque o seu lado macho alfa queira berrar de que homem tem que “pegar” todas; já deixo bem claro: há homens que querem passar o tempo, curtindo e tal, eu, não. Eu queria uma namorada. 
Assim como tem homens que querem compromissos e outros não, há mulheres também. E o que ocorria? Eu só me oportunizava para as que não queriam relacionamento algum. Tava começando a achar que o planeta havia mudado demais, que não existia mais amor romântico e eu estava fora da modinha.
Péssima análise machista. Eu apenas era um cara que tinha medo do amor. Quando eu encontrava uma moça legal que estava a fim de namorar comigo, lá ia eu enumerar uma lista de impossibilidades. Peraí, se amor é permissão, porque diabos eu estava me burlando? Quem disse que não podia dar certo com A, B ou C? Afinal, com quantas eu havia me envolvido, achando que era o amor mais fodão que tinha encontrado, e terminava na primeira desavença? Infinitas.
Foi, então, que percebi, que a minha ansiedade em encontrar alguém perfeito me impedia de amar alguém disposto. Até porque amor de verdade nasce da aceitação dos defeitos do outro. Amar alguém que nos promete uma infinidade de coisas bonitas, e viver feliz todos os dias, ao nosso lado, é fácil. Tanto que vai fácil, também. Quero ver amar as oscilações de humor, a insatisfação do outro, a bagunça da sua rotina. Ah, meu rei, depois que entendi isso, descobri o verdadeiro sentido do amor.
Até porque, todo mundo quer um amor, e eu estava nesta lista, porém, a minha carência era tão desmedida que eu sufocava qualquer companheira, com minha necessidade extrema de carinho e de demonstrações públicas do nosso amor. Se ela não demonstrasse isso, eu desistia, procurava alguém que não se limitasse ao “eu te amo”, apenas, entre quatro paredes. Cara, era óbvio que eu não viveria nenhuma real história de amor, mas, um conto de fadas com tempo marcado para desencantar. O amor não precisa de aplausos coletivos para ser bom, ou ser o melhor do mundo;  precisa de uma palavra de conforto para nos tornar forte, de um afago depois e um dia atribulado. De um beijo quando não queremos conversar.
Eu queria um amor pra vida toda, e ela me escolheu. Foi meio que de repente, numa livraria, tarde quente. Ela escolheu o mesmo livro que o meu. Nossos olhos se encontraram e ela me provocou uma onda boa de sorrisos. Passamos um bom tempo só conversando, antes do primeiro encontro. Eu na ânsia de encontrar um amor pra vida inteira, ainda, experimentei outros beijos, antes de tornar sólido esta possibilidade de amor.
A paciência dela em me esperar, quando eu estivesse pronto, foi a grande sacada para me alertar, que ali havia a possibilidade de amar. Foi sem pressa, quando eu nem esperava. Já nem procurava. E ela me encantou.
Ainda me lembro do primeiro beijo que me arrebatou. Eu que jamais imaginei que encontraria um amor.

Tayane Sanschrí





2 comentários:

  1. maravilhoso amiga como sempre voce é de uma sensibilidade incrivel a forma de traduzir em palavras o que para muito nao tem explicação

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grata por suas palavras!
      Um abraço bem apertado em você!
      Muita luz!
      <3

      Excluir